Governo de Canadá
Símbolo Governo de Canadá

Governo do Canadá

brasil.gc.ca

Breadcrumb

  1. Página inicial
  2. >
  3. Descubra o Canadá
  4. >
  5. Sobre o Canadá

Educação

A educação no Canadá é formada por 10 sistemas provinciais e 2 territoriais, incluindo as escolas públicas, escolas "especiais" e escolas particulares.

Ao construírem o seu país, os canadenses de várias formações culturais descobriram que a compreensão era fundamental para unir tão diferentes elementos históricos, geográficos e étnicos. Os sistemas de ensino desenvolvidos destinavam-se a acomodar tal diversidade. O ensino público no Canadá é co-educativo e gratuito até a conclusão da escola secundária. A lei obriga as crianças a freqüentarem a escola dos 6 ou 7 anos até 15 ou 16 anos. Em Quebec, o ensino gratuito é estendido também até o nível colegial normal ou pré-universitário (CEGEP), que cobram apenas uma taxa mínima de matrícula. O aluno paga uma taxa escolar para a maioria dos cursos superiores.

Em 1993, O Canadá gastou $ 54.2 bilhões no ensino, o que representa 8% do seu produto nacional bruto. Tal percentagem está entre as mais altas dentre os países industrializados.

A responsabilidade das províncias

Não há um sistema de ensino federal no Canadá: a Constituição atribui às províncias a responsabilidade exclusiva pelo ensino. Cada sistema provincial, enquanto semelhante aos outros, reflete os seus interesses regionais e herança histórica e cultural. As secretarias de ensino das províncias - chefiadas por um ministro eleito - estabelecem as normas, elaboram os currículos e subvencionam instituições de ensino.

A responsabilidade pela administração das escolas primária ou secundária é delegada às juntas escolares ou comissões locais eleitas, que estabelecem orçamentos, recrutam os professores e negociam seus contratos e formam os currículos escolares, de acordo com as diretrizes de cada província.

O governo federal envolve-se indiretamente na educação. Fornece apoio financeiro à educação pós-secundária, ao treinamento ocupacional de adultos e ao ensino das duas línguas oficiais - em especial, treinamento para segunda língua. Além disso, é responsável pela educação dos aborígenes, dos funcionários das Forças Armadas e seus dependentes e dos presos em instituições federais.

Através do Programa de Empréstimo ao Estudante Canadense, o governo ajuda aos que não têm recursos suficientes para completarem seus estudos. Proporciona garantias de empréstimo e, no caso dos alunos de período integral, subsídios para ajudá-los a conseguirem pagar seus estudos no nível superior. As províncias têm programas complementares de empréstimos e bolsas de estudo. Em 1991-92, os gastos do governo e das províncias no auxílio à educação ultrapassaram os $ 794 milhões.

A escola primária e secundária

Cerca de 5 milhões de crianças canadenses receberam educação gratuita durante o ano letivo de 1990-91. Em algumas províncias, as crianças podem entrar no maternal aos quatro anos, antes de começar a escola primária, que é aos seis anos. Geral e fundamental, o currículo da escola primária enfatiza os conhecimentos básicos de língua, matemática, estudos sociais e introdução às artes e ciências.

Algumas províncias oferecem às crianças super-dotadas programas de ensino mais acelerados e enriquecidos. Crianças com um aprendizado mais lento, ou até mesmo limitado, podem ser colocadas em programas, aulas e instituições especializadas. Cada vez mais, entretanto, as crianças limitadas estão sendo integradas ao sistema normal.

Em geral, a escola secundária consiste de duas correntes de ensino. A primeira prepara o aluno para a universidade, a segunda prepara-o para a educação pós-secundária, em colégios comunitários ou instituições de tecnologia, ou ainda para o mercado de trabalho. Há também programas especiais destinados a alunos incapazes de completar os programas regulares.

Na maioria das províncias, as próprias escolas agora estabelecem, conduzem e avaliam os seus exames. Em algumas províncias, entretanto, o estudante precisa passar por uma avaliação de graduação em certas matérias principais a fim de terem acesso ao nível pós-secundário. Assim, a entrada na universidade depende da escolha do curso e das médias escolares - as exigências variam de uma província para outra.

Outras escolas

Para os pais que buscam alternativas para o sistema de ensino público, existem as escolas particulares e separadas. A legislação das províncias permite a existência de estabelecimentos de ensino separados por religião. A maioria das escolas católicas oferece um currículo religioso desde a pré-escola até o nível secundário, em algumas províncias.

As escolas particulares ou independentes ofecerem uma grande variedade de opções curriculares com base na religião, língua ou condição social ou acadêmica.

A preparação dos professores

No ano letivo de 1991-92, as escolas primária e secundária empregaram perto de 297 000 professores de período integral. O treinamento dos professores compreende pelo menos 4 ou 5 anos de estudo, requer um grau universitário e pelo menos um ano para completar o Bacharelado em Educação. Os professores recebem a licença para ensinarem das secretarias provinciais de educação.

A educação pós-secundária

Até meados da década de 60, a educação pós-secundária era oferecida quase exclusivamente pelas universidades. A maioria delas era particular, muitas das quais agregadas à comunidades religiosas. Durante os anos 60, entretanto, a demanda por uma maior variedade na educação pós-secundária aumentou consideravelmente e as matrículas cresceram com grande rapidez, e também os sistemas de instituições públicas pós-secundárias não-universitárias começaram a se desenvolver. Hoje, a educação universitária, assim como outros tipos de educação pós-secundária, são subsidiadas pelos governos federal e provincial. Os estudantes universitários pagam apenas cerca de 17.8% do custo efetivo de ensino de $ 6.6 milhões.

As instituições pós-secundárias e não-universitárias são conhecidas por vários nomes, como por exemplo, CEGEPs - que são instituições de tecnologia e colégios comunitários. São financiados pelas províncias (alguns totalmente) e oferecem treinamento para ocupações paraprofissionais, técnicas e comerciais. Alguns oferecem também programas de transferência universitária.

Nem todos os programas são pós-secundários, uma vez que alguns não requerem diploma secundário. É o caso, por exemplo, do treinamento para carpinteiro, encanador ou pedreiro, que leva apenas um ano e exige somente o 10º ano completo.

Todas essas instituições, inclusive as universidades, oferecem educação para adultos, em período integral ou parcial. Em 1992-93, cerca de 551 300 alunos estudavam no nível colegial e 867 300 no universitário, com apenas 60% de cada categoria envolvidos em estudos de período integral. Durante os últimos vinte anos, tem havido, principalmente no estudo prolongado, um aumento marcante no número de alunos acima do costumeiro grupo etário de 18 a 24 anos - em 1990, 24% dos universitários tinham mais de 24 anos contra os quase 18% do ano letivo de 1970-71.

Atualmente, mais de 55% dos universitários são mulheres e elas recebem mais qualificações universitárias do que os homens. Do mesmo modo, mais de 53% dos colegiais de tempo integral e quase 63% dos alunos de meio período são mulheres.

Vale a pena ressaltar que a educação adulta em todos os níveis, do universitário ao profissionalizante, é um setor em rápida expansão. Em 1990, por exemplo, 3.4 milhões de adultos - 20% dos canadenses - freqüentavam cursos de meio período.

Um sistema em alta consideração

As províncias e territórios canadenses têm desenvolvido abrangentes sistemas diversificados de ensino, destinados ao amplo acesso e a corresponder ao aspecto bilíngüe e multicultural da sociedade canadense.

Footer

Data da última atualização:
2013-07-11