Governo de Canadá
Símbolo Governo de Canadá

Governo do Canadá

brasil.gc.ca

Breadcrumb

  1. Página inicial

Relações Canadá-Brasil

Um parceiro chave para o Canadá

Relações Diplomáticas e Representações Oficiais

As então colônias da América do Norte Britânica enviaram sua primeira missão comercial ao Brasil em 1866, um ano antes do estabelecimento da Confederação, quando formalmente tais colônias se uniram para formar o Canadá. A Embaixada do Canadá no Brasil foi aberta em 1944, sendo Jean Désy o primeiro Embaixador do Canadá no Brasil. Em maio de 1941, o Brasil abriu uma missão diplomática em Ottawa com João Alberto Lins de Barros sendo o primeiro Embaixador brasileiro no Canadá.

No Brasil, o Canadá é representado pela Embaixada do Canadá em Brasília. O Canadá também é representado pelos Consulados-Gerais em São Paulo e no Rio de Janeiro. O Serviço Canadense de Promoção Comercial também tem escritórios em Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre.

O Brasil é representado no Canadá por uma Embaixada em Ottawa. O Brasil também tem consulados em Montreal, Toronto e Vancouver.

Relações bilaterais

O Brasil, uma prioridade para o governo do Canadá, está na interseção (em destaque na) da Estratégia do Governo do Canadá no Engajamento com as Américas, no Plano de Ação para Mercados Globais e na Estratégia Internacional de Educação. 

As relações do Canadá com o Brasil se tornaram cada vez mais estreitas tendo por base nossos interesses estratégicos e compromissos baseados na promoção da segurança, prosperidade e governança democrática. Nossa relação tem sido fortalecida pela cooperação extensiva de todo o governo em diversos setores, tais como: saúde, educação, defesa, agricultura e ciência e tecnologia.

O Canadá e o Brasil compartilham governança democrática, economias estáveis, recursos naturais abundantes, territórios vastos e pouco habitados, bem como a riqueza que vem da diversidade multicultural, incluindo nossas populações indígenas. As relações do Canadá com o Brasil vêm crescendo, o que é confirmado, pela expansão do comércio e de investimentos e por maior interesse mútuo em aprender mais sobre o outro, tanto sob a ótica das políticas públicas quanto  das relações interpessoais..

Depois da visita do Primeiro-Ministro Stephen Harper, acompanhado por quatro ministros, em agosto de 2011, as relações entre o Brasil e o Canadá foram renovadas. O Primeiro-Ministro Harper e a Presidente Dilma Rousseff anunciaram uma agenda ambiciosa.

Do ponto de vista multilateral, o Canadá e o Brasil trabalham cada vez mais juntos na Organização dos Estados Americanos, na Organização das Nações Unidas, no G20 e na Organização Mundial do Comércio em áreas como a promoção da diversidade cultural, o envolvimento em operações de manutenção da paz e avanços no respeito pelos direitos humanos no mundo. Como grandes produtores agrícolas, o Canadá e o Brasil têm um papel vital a desempenhar na abordagem da segurança alimentar e energética na região e no mundo. Colaboração em países de interesse mútuo como exemplificado na atual cooperação no Haiti onde trabalhamos com o Brasil para fortalecer a polícia nacional do Haiti e ajudar nos esforços de reconstrução. O Canadá participou de duas iniciativas de cooperação com o Brasil no Haiti: no apoio ao programa de vacinação e nos esforços para superar a violência urbana.

Relações Comerciais

As relações comerciais entre o Canadá e o Brasil têm tido, em anos recentes, um crescimento impressionante. O comércio bilateral cresceu 35,1% desde 2009, chegando a 5,6 bilhões de dólares canadenses em 2014, tornando o Brasil o 15º maior destino das exportações canadenses. Em 2014, as exportações canadenses ao Brasil totalizaram 2,2 bilhões de dólares canadenses em produtos comercializados, enquanto que o Canadá importa 3,5 bilhões de dólares canadenses do Brasil, fazendo do Brasil nossa 14ª maior fonte de importações globais. Em 2013, o Brasil foi a 6ª maior fonte de Investimento Estrangeiro Direto no Canadá com $18,5 bilhões de dólares canadenses em investimentos acumulados. O Brasil foi o 11º maior beneficiário do Investimento Direto Canadense no Estrangeiro, com um total de $ 11,1 bilhões de dólares canadenses no final de 2013. Cerca de 500 empresas canadenses estão activas no Brasil.

A agência Export Development Canada (EDC) está presente no Brasil há 14 anos. Desde 2000, o EDC facilitou mais de $20 bilhões em exportações e investimentos canadenses. Em 2013, serviu 338 empresas, comparadas às 169 em 2000, e seu volume de negócios no Brasil, em 2013, foi de $2,1 bilhões de dólares canadenses. Além disso, 861 compradores internacionais foram assegurados.

O Setor Comercial do Consulado Geral do Canadá identificou oportunidades de crescimento significativo para as empresas canadenses nos seguintes setores, bem adaptados às capacidades e interesses canadenses: Infra-estrutura, Educação, Tecnologias Limpas, Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), Petróleo e Gás, e Aeroespacial. Além destes setores prioritários, existem também oportunidades para o Canadá em Mineração, Defesa e Segurança, Ciências da Vida, Tecnologias Marítimas, Setores Automotivo, Energético, Agrícola e Agro-Alimentar, de Serviços e de Turismo. O Brasil é um parceiro chave para atração de investimentos, retenção e expansão de iniciativas, para colaborações em Ciência e Tecnologia, bem como para participação em Cadeias de Valor Global.

Parceiros para a Ciência, Tecnologia e Inovação

Pesquisa e inovação são também elementos centrais da agenda comercial do Canadá e um ponto cada vez de maior convergência mútua em nossas relações com as economias estratégicas, como o Brasil. Exemplos nos quais descobertas científicas são associadas a empresas que podem explorar elementos inovadores para vantagem comercial estão se multiplicando – ilustrando a amplitude de possibilidades previstas no Acordo de Ciência e Tecnologia firmado entre o Canadá e o Brasil.

O Acordo-Quadro para Cooperação em Ciência, Tecnologia e Inovação entre o Canadá e o Brasil entrou em vigor em ambos os países em 2010. Este acordo serve como um quadro no qual os parceiros canadenses e brasileiros da indústria, academia e governo podem colaborar na investigação conjunta e desenvolvimento (P&D) de projetos, conferências científicas e workshops, troca e empréstimos de equipamentos e materiais, bem como a mobilidade de estudantes e pesquisador. Desde a ratificação do Acordo, a relação bilateral tomou novo impulso. O Acordo baseia-se nas importantes relações comerciais e políticas do Canadá com o Brasil, em um esforço para aumentar a pesquisa colaborativa e atividades de desenvolvimento e conduzir à comercialização de novas ideias.

Para fornecer direção estratégica para a implementação do Acordo, o Canadá e o Brasil estabeleceram uma Comissão Mista de Cooperação em Ciência, Tecnologia e Inovação, que se reuniu pela primeira vez em Ottawa, no Canadá, em junho de 2011. A agenda Brasil-Canadá para a inovação é voltada para um Plano de Ação Conjunta em Ciência e Tecnologia. Este plano se baseia nas habilidades e competências de ambas as nações e visa promover o avanço tecnológico e inovação em áreas de interesse comum. O Plano de Ação estabelece uma série de importantes iniciativas e ações em setores prioritários como Tecnologias Marítimas, Tecnologia Limpa, Energias Renováveis, Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e Ciências da Vida. Destina-se a acelerar a cooperação entre comunidades científicas e tecnológicas junto a instituições educacionais.

Laços Acadêmicos e Culturais

O Canadá e o Brasil compartilham conexões culturais e acadêmicas fortes, que tiveram expansão ao longo dos anos. O Canadá vai acolher 12.000 estudantes brasileiros nos níveis de graduação, doutorado e pós-doutorado sob o programa o CsF.

Acadêmicos de todas as áreas do Canadá e do Brasil aproveitam as frequentes e regulares oportunidades de intercâmbio e cooperação, apoiadas por uma variedade de programas financiados por ambos os governos. A posição de Pesquisador Visitante no Canadá em Estudos Brasileiros envolve cinco universidades - Universidade York, Universidade de Western Ontário, Universidade de Quebeque em Montreal, Universidade St. Mary e a Universidade de Calgary. Estabelecido em 2003, este programa trouxe importantes brasileiros às universidades e reuniões no Canadá, incluindo uma conferência sobre biocombustíveis em 2008. O programa visa influenciar as orientações políticas e de pesquisa, construir o desenvolvimento institucional e aumentar nossa relação bilateral.

O governo canadense incentiva o fortalecimento de intercâmbios interpessoais por seupotencial para enriquecer o relacionamento Brasil-Canadá. Como complemento ao Acordo em Ciência e Tecnologia, no dia 30 de agosto de 2010, o Canadá e o Brasil assinaram um Memorando de Entendimento sobre os intercâmbios académicos e cooperação científica para impulsionar a inovação em ambos os países, usando projetos conjuntos de investigação orientada para a equipe.

Cooperação para o Desenvolvimento

A relação de desenvolvimento do Canadá com o Brasil evoluiu de doador receptor para uma parceria na cooperação para o desenvolvimento. A Agência Canadense para o Desenvolvimento Internacional (ACDI) fechou seu escritório e seu programa bilateral no Brasil, em 31 de março de 2011. Desde então, O Canadá e o Brasil assinaram um Memorando de Entendimento sobre a Eficácia da Cooperação para o Desenvolvimento Internacional. Este entendimento visa o avanço do desenvolvimento da relação Brasil-Canadá por meio do diálogo político, de uma política de investigação conjunta, do reforço dos vínculos institucionais e atividades de cooperação técnica em outros países.

O Canadá mantém um Fundo Canadense para Iniciativas Locais desenvolvido para apoiar pequenos projetos propostos e implementados por organizações locais no Brasil. Em provendo financiamento para pequenos projetos que oferecem assistência social, econômica e técnica direta às populações locais, o Fundo contribui para o objetivo global de redução da pobreza.

Abril de 2015


Footer

Data da última atualização:
2016-11-09